Estadão.com.br

Busca avançada





  • Edição 94
  • Edição 93
  • Edição 92
  • Edição 91
  • Edição 90
  • Edição 89
  • Edição 88
  • Edição 87
  • Edição 86
  • Edição 85
  • Edição 84
  • Edição 83
  • Edição 82
  • Edição 81
  • Edição 80
  • Edição 79
  • Edição 78
  • Edição 77
  • Edição 76
  • Edição 75
  • Edição 74
  • Edição 73
  • Edição 72
  • Edição 71
  • Edição 70
  • Edição 69
  • Edição 68
  • Edição 67
  • Edição 66
  • Edição 65
  • Edição 64
  • Edição 63
  • Edição 62
  • Edição 61
  • Edição 60
  • Edição 59
  • Edição 58
  • Edição 57
  • Edição 56
  • Edição 55
  • Edição 54
  • Edição 53
  • Edição 52
  • Edição 51
  • Edição 50
  • Edição 49
  • Edição 48
  • Edição 47
  • Edição 46
  • Edição 45
  • Edição 44
  • Edição 43
  • Edição 42
  • Edição 41
  • Edição 40
  • Edição 39
  • Edição 38
  • Edição 37
  • Edição 36
  • Edição 35
  • Edição 34
  • Edição 33
  • Edição 32
  • Edição 31
  • Edição 30
  • Edição 29
  • Edição 28
  • Edição 27
  • Edição 26
  • Edição 25
  • Edição 24
  • Edição 23
  • Edição 22
  • Edição 21
  • Edição 20
  • Edição 19
  • Edição 18
  • Edição 17
  • Edição 16
  • Edição 15
  • Edição 14
  • Edição 13
  • Edição 12
  • Edição 11
  • Edição 10
  • Edição 9
  • Edição 8
  • Edição 7
  • Edição 6
  • Edição 5
  • Edição 4
  • Edição 3
  • Edição 2
  • Edição 1


Michel Temer em versos

Compartilhar:

13 de Janeiro de 2011 Na piauí_45, Consuelo Dieguez escreveu a reportagem "A cara do PMDB" e revelou o gosto de Michel Temer pela poesia. Aqui você ouve o vice-presidente de Dilma Rousseff declamar alguns versos.

A mulher que eu queria Possui os cabelos sedosos / Uma boca perfeita, um primor / E trazia nos olhos formosos, mil promessas e sonhos de amor / Essa mesma mulher a que aludo, o destino me deu certo dia / Era meiga, era linda, era tudo / Mas não era a mulher que eu queria Palpitou por meus beijos, beijei-a / A cigarra era louca e vadia / Eu a quis como um louco, adorei-a / Mas não era a mulher que eu queria Mas por ser tão meiga e discreta/ Ficou sendo a ilusão de um poeta / Ficou sendo a mulher que eu queria. Filosofia de um diretor de circo Possui os cabelos de milho, uma boca amarela, sem dente / E trazia nos olhos o brilho / Das pessoas que sofrem da mente Essa mesma megera a que aludo / Fui buscar numa escura enxovia / Era má, era feia, era tudo, e não era a mulher que eu queria Palpitou por meus beijos, surrei-a / A coruja era louca e vadia / Tendo-a junto de mim desprezei-a / pois não era a mulher que eu queria Mas por ser tão medonha e teimosa, numa jaula, fechei-a / Nesse dia ficou sendo uma fera famosa / Ficou sendo a mulher que eu queria



Download
Visite a página da revista piauí no Orkut