Estadão.com.br
‹ Ir para edição atual

Busca avançada





  • Edição 98
  • Edição 97
  • Edição 96
  • Edição 95
  • Edição 94
  • Edição 93
  • Edição 92
  • Edição 91
  • Edição 90
  • Edição 89
  • Edição 88
  • Edição 87
  • Edição 86
  • Edição 85
  • Edição 84
  • Edição 83
  • Edição 82
  • Edição 81
  • Edição 80
  • Edição 79
  • Edição 78
  • Edição 77
  • Edição 76
  • Edição 75
  • Edição 74
  • Edição 73
  • Edição 72
  • Edição 71
  • Edição 70
  • Edição 69
  • Edição 68
  • Edição 67
  • Edição 66
  • Edição 65
  • Edição 64
  • Edição 63
  • Edição 62
  • Edição 61
  • Edição 60
  • Edição 59
  • Edição 58
  • Edição 57
  • Edição 56
  • Edição 55
  • Edição 54
  • Edição 53
  • Edição 52
  • Edição 51
  • Edição 50
  • Edição 49
  • Edição 48
  • Edição 47
  • Edição 46
  • Edição 45
  • Edição 44
  • Edição 43
  • Edição 42
  • Edição 41
  • Edição 40
  • Edição 39
  • Edição 38
  • Edição 37
  • Edição 36
  • Edição 35
  • Edição 34
  • Edição 33
  • Edição 32
  • Edição 31
  • Edição 30
  • Edição 29
  • Edição 28
  • Edição 27
  • Edição 26
  • Edição 25
  • Edição 24
  • Edição 23
  • Edição 22
  • Edição 21
  • Edição 20
  • Edição 19
  • Edição 18
  • Edição 17
  • Edição 16
  • Edição 15
  • Edição 14
  • Edição 13
  • Edição 12
  • Edição 11
  • Edição 10
  • Edição 9
  • Edição 8
  • Edição 7
  • Edição 6
  • Edição 5
  • Edição 4
  • Edição 3
  • Edição 2
  • Edição 1
  • Edição 0


Compartilhar:

Na hora errada

Blogueiros flagram a Igreja Ortodoxa Russa num pecadilho que se destinava a proteger o chefe, mas acabou indignando os fiéis

por DORRIT HARAZIM

Tamanho da letra:
Imprimir:

Em si, o pecado cometido por Cirilo I, patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, fundada há mais de um milênio, foi venial e poderia ter passado despercebido. Uma banal foto sua, em audiência com o ministro da Justiça da Rússia, ficara exposta no site oficial da instituição durante três anos sem levantar uma só sobrancelha no seu rebanho de cerca de 150 milhões de fiéis.

E talvez permanecesse anódina para sempre não fosse Sua Eminência – ou o servidor que levará a culpa por excesso de zelo – decidir operar um milagre: fazer sumir da foto o Breguet modelo Le Réveil du Tsar, de ouro branco, 38 rubis e preço em torno de 27 mil euros (ou 67 mil reais) que o primaz ostentava no pulso.

O pecado capital foi detectado por blogueiros russos no mês passado e cometido justamente no campo artístico que mais floresceu na União Soviética de Joseph Stálin: a manipulação de imagens. O luxuoso artefato da Maison Breguet foi lindamente “desaparecido” de cena. Mas, por uma imperícia que noutros tempos despacharia o infrator para a Sibéria, o reflexo do objeto na mesa polida permaneceu esquecido – algo imperdoável nesses tempos de Photoshop e similares.

“O episódio representa uma grave violação de nossa ética e será investigado até as últimas consequências”, prometeu o Patriarcado de Moscou quando a trapaça se tornou viral na blogosfera. Não tardou para que a culpa recaísse sobre uma jovem funcionária da assessoria de imprensa da Igreja. “Infelizmente”, informou o porta-voz de Cirilo I, “essa pessoa tomou a infeliz iniciativa por conta própria, sem consentimento de seus superiores.” E garantiu: “Claramente isto é um absurdo, um mal-entendido. Não há do que se envergonhar. Não queremos esconder nada.”

Na verdade, Sua Eminência quis esconder tudo. De início, declarou que jamais usara o Breguet com que fora presenteado – não lembrava quando nem por quem – e que qualquer foto sugerindo o contrário só poderia ser obra de algum manipulador de imagem, com o intuito de comprometê-lo. Quando a verdade veio à tona, a Igreja Russa achou prudente reconhecer a fraude, classificada como “erro técnico”. Apresentou também um pedido formal de desculpas e reintroduziu a foto original no site da entidade com o Breguet no devido lugar.

Tarde demais. A essa altura uma comunidade de blogueiros já se divertia criando múltiplas versões da imagem adulterada. Uma das mais apreciadas eliminou por completo o patriarca, deixando apenas o relógio, e seu incômodo reflexo, na reluzente mesa. Uma outra derreteu a imagem do Breguet sobre o conhecido quadro de Salvador Dalí, A Persistência da Memória

 

tentativa de camuflar a realidade reacendeu o desconforto dos russos ortodoxos com o apreço da alta cúpula do Patriarcado por objetos de luxo. Um dos bispos locados na cidade de Kazan, por exemplo, revelou-se apegado a uma BMW, uma Mercedes, três apartamentos e uma casa de campo. O próprio primaz, que seria dono de dois Cadillacs, havia se encalacrado quando vazaram elogios que fez a roupas de costureiros italianos e exaltações às qualidades de um Breguet. Nisso, não terá sido o primeiro. As peças que começaram a ser produzidas no ateliê do francês A.L. Breguet, no século XVIII, ornaram os coletes do rei Luís XVI, encantaram Maria Antonieta e inspiraram a literatura de Stendhal, Balzac e Victor Hugo. Winston Churchill e Arthur Rubinstein também foram apreciadores da marca.

É pouco provável que a admissão de culpa do Patriarcado abafe o debate em torno do papel atual da Igreja Ortodoxa na sociedade da Rússia. No decorrer das últimas décadas a relação da instituição com o Kremlin tem se estreitado e o endosso oficial dado por Cirilo I à candidatura de Vladimir Putin nas eleições de março passado não agradou a todos.

Os detratores do mais alto hierarca da Igreja Russa aproveitam o momento para desenterrar uma acusação surgida no início dos anos 90, pouco após a queda do regime comunista. Antes de se tornar primaz, Cirilo I teria mantido vínculos amigáveis com a KGB durante o período soviético. Atendia então pelo codinome de Mikhailov” (seu nome de batismo é Vladimir Mikhailovich Gundyayev).

Agora, com o caso Breguet, internautas pós-comunistas podem brincar à vontade com a arte da manipulação que moldou o seu passado. Um dos mais completos registros da história soviética sob o prisma da alteração de imagens está compilado no Newseum, de Washington. Intitulada The Commissar Vanishes (O Sumiço do Comissário, em tradução livre), uma exposição montada pelo pioneiro museu americano da notícia  explorou o uso de falsidades fotográficas na urssentre 1929 e 1953.

Pelo menos nesse ramo, a Igreja Ortodoxa Russa ainda tem bastante a aprender.

Conteúdo Relacionado

Links
Visite a página da revista piauí no Orkut