Estadão.com.br
‹ Ir para edição atual

Busca avançada





  • Edição 1000
  • Edição 95
  • Edição 94
  • Edição 93
  • Edição 92
  • Edição 91
  • Edição 90
  • Edição 89
  • Edição 88
  • Edição 87
  • Edição 86
  • Edição 85
  • Edição 84
  • Edição 83
  • Edição 82
  • Edição 81
  • Edição 80
  • Edição 79
  • Edição 78
  • Edição 77
  • Edição 76
  • Edição 75
  • Edição 74
  • Edição 73
  • Edição 72
  • Edição 71
  • Edição 70
  • Edição 69
  • Edição 68
  • Edição 67
  • Edição 66
  • Edição 65
  • Edição 64
  • Edição 63
  • Edição 62
  • Edição 61
  • Edição 60
  • Edição 59
  • Edição 58
  • Edição 57
  • Edição 56
  • Edição 55
  • Edição 54
  • Edição 53
  • Edição 52
  • Edição 51
  • Edição 50
  • Edição 49
  • Edição 48
  • Edição 47
  • Edição 46
  • Edição 45
  • Edição 44
  • Edição 43
  • Edição 42
  • Edição 41
  • Edição 40
  • Edição 39
  • Edição 38
  • Edição 37
  • Edição 36
  • Edição 35
  • Edição 34
  • Edição 33
  • Edição 32
  • Edição 31
  • Edição 30
  • Edição 29
  • Edição 28
  • Edição 27
  • Edição 26
  • Edição 25
  • Edição 24
  • Edição 23
  • Edição 22
  • Edição 21
  • Edição 20
  • Edição 19
  • Edição 18
  • Edição 17
  • Edição 16
  • Edição 15
  • Edição 14
  • Edição 13
  • Edição 12
  • Edição 11
  • Edição 10
  • Edição 9
  • Edição 8
  • Edição 7
  • Edição 6
  • Edição 5
  • Edição 4
  • Edição 3
  • Edição 2
  • Edição 1


Compartilhar:

Porventura

Que não se engane ninguém: ser um poeta é uma África

por ANTONIO CICERO

Tamanho da letra:
Imprimir:

 

O POETA LÍRICO

Não sei contar histórias. Minha prima,

Corina, que sabe fazê-lo, disse

ser esse defeito a causa ostensiva

do que, em falso tom de corriqueirice,

ela se deleita em qualificar

de “o óbvio malogro” das minhas lides

poéticas. Tive que concordar

pois, por não sei que artes de berliques

e berloques, ela me criticava

com um argumento do próprio Filósofo

– para ela anacrônico e monótono –

em cuja obra-prima eu mergulhara

há tanto tempo – e a fundo – e ela nada.

Eu morreria se tivesse um óbolo.

 

 

NIHIL

nada sustenta no nada esta terra

nada este ser que sou eu

nada a beleza que o dia descerra

nada a que a noite acendeu

nada esse sol que ilumina enquanto erra

pelas estradas do breu

nada o poema que breve se encerra

e que do nada nasceu

 

 

3:47 H

Bem que Horácio dizia

preferir dormir bem

a escrever poesia.

 

 

NA PRAIA

Na praia – parece que foi ontem –

ficávamos dentro d’água eu,

Roberto, Ibinho, Roberto Fontes

e Vinícius, a água era um céu,

e voávamos nas ondas trans-

parentes, deslizantes, do azul

mais profundo do fundo ciã

do oceano Atlântico do sul.

Mas era outro século: Roberto

morreu, morreu Vinícius, Roberto

Fontes nunca mais vi, e Ibinho

casou e mudou. Já não procuro

o azul. Os mares em que mergulho

são os homéricos, cor de vinho.

 

 

AS FLORES DA CIDADE

Há flores pelo caminho através

da cidade à cidade: naturais,

em canteiros e em árvores, talvez,

mas quase todas artificiais

nos cabelos dos bebês, em cachorros

mimados, em vitrines e revistas

femininas, em cartazes e outdoors,

e – de novo naturais – em floristas,

camelôs na calçada e, sobretudo,

nas mãos do entregador de flores, cujo

olhar esverdeado sobre as rosas

é puro absinto e tudo nos deslembra,

lançando-nos dúvidas hiperbólicas

sobre o próprio destino a uma hora dessas.

 

 

 

PRESENTE

Por que não me deitar sobre este

gramado, se o consente o tempo,

e há um cheiro de flores e verde

e um céu azul por firmamento

e a brisa displicentemente

acaricia-me os cabelos?

E por que não, por um momento,

nem me lembrar que há sofrimento

de um lado e de outro e atrás e à frente

e, ouvindo os pássaros ao vento

sem mais nem menos, de repente,

antes que a idade breve leve

cabelos sonhos devaneios,

dar a mim mesmo este presente?

 

 

O POETA MARGINAL

Em meio às ondas da hora

e às tempestades urbanas

conectarei as palavras

que trovarão novas trovas.

Lerei poemas na esquina,

darei presentes de grego;

a cochilar com Homero,

farei negócios da China.

Exporei tudo na rede

sem ganhar nem um vintém:

a vaidade, a fome, a sede,

certo truque, rara mágica.

Que não se engane ninguém:

ser um poeta é uma África.

Visite a página da revista piauí no Orkut