Estadão.com.br
‹ Ir para edição atual

Busca avançada





  • Edição 98
  • Edição 97
  • Edição 96
  • Edição 95
  • Edição 94
  • Edição 93
  • Edição 92
  • Edição 91
  • Edição 90
  • Edição 89
  • Edição 88
  • Edição 87
  • Edição 86
  • Edição 85
  • Edição 84
  • Edição 83
  • Edição 82
  • Edição 81
  • Edição 80
  • Edição 79
  • Edição 78
  • Edição 77
  • Edição 76
  • Edição 75
  • Edição 74
  • Edição 73
  • Edição 72
  • Edição 71
  • Edição 70
  • Edição 69
  • Edição 68
  • Edição 67
  • Edição 66
  • Edição 65
  • Edição 64
  • Edição 63
  • Edição 62
  • Edição 61
  • Edição 60
  • Edição 59
  • Edição 58
  • Edição 57
  • Edição 56
  • Edição 55
  • Edição 54
  • Edição 53
  • Edição 52
  • Edição 51
  • Edição 50
  • Edição 49
  • Edição 48
  • Edição 47
  • Edição 46
  • Edição 45
  • Edição 44
  • Edição 43
  • Edição 42
  • Edição 41
  • Edição 40
  • Edição 39
  • Edição 38
  • Edição 37
  • Edição 36
  • Edição 35
  • Edição 34
  • Edição 33
  • Edição 32
  • Edição 31
  • Edição 30
  • Edição 29
  • Edição 28
  • Edição 27
  • Edição 26
  • Edição 25
  • Edição 24
  • Edição 23
  • Edição 22
  • Edição 21
  • Edição 20
  • Edição 19
  • Edição 18
  • Edição 17
  • Edição 16
  • Edição 15
  • Edição 14
  • Edição 13
  • Edição 12
  • Edição 11
  • Edição 10
  • Edição 9
  • Edição 8
  • Edição 7
  • Edição 6
  • Edição 5
  • Edição 4
  • Edição 3
  • Edição 2
  • Edição 1
  • Edição 0


Compartilhar:

Agora escureceu

Mãe Dináh segue olhando o futuro, mas não lhe peçam para soletrar

por Bruna Talarico

Tamanho da letra:
Imprimir:

Nascida no Paraíso, o simpático bairro no fim da avenida Paulista, Benedicta Finazza mantém desde a infância o mesmo penteado: um austero rabo de cavalo enrolado em coque. Dona de um olhar penetrante e um sotaque italianado, ela complementa o estilo com unhas pintadas de bordô, lábios vermelhos e bijuterias da rua 25 de Março, a meca dos balangandãs de São Paulo.

Mais conhecida como Mãe Dináh, a vidente paulistana nunca revela a idade. Mas garante que o dom da premonição a acompanha desde que adotou o tal penteado, aos três anos. Questões mundanas como ir ao supermercado, se locomover pela cidade ou editar o seu site são exercidas por algum de seus quatro filhos, que também se encarregam de afazeres domésticos, como lavar e passar as roupas feitas sob medida para ela. Mãe Dináh é uma presença intermitente na imprensa nacional desde 1996, quando conheceu os holofotes por alegar ter previsto a morte dos Mamonas Assassinas. Seja em shows dominicais, no fim dos anos 90, ou no Mãe Dináh Responde, exibido às segundas-feiras na UPTV – uma emissora de televisão pela internet –, ela tem visões as mais variadas. Entre as recentes, garante ter previsto as chuvas na região serrana fluminense, os conflitos na Líbia e mesmo o terremoto e o tsunami no Japão. Tudo, enfim, de alguma repercussão, passa em primeira mão pelos olhos da vidente. Até coisas que o destino desiste de concretizar.

Além de enxergar tragédias naturais e políticas, ela ainda encontra tempo para dar pitacos sobre a vida de celebridades, caso de Ronaldo Fenômeno (que, segundo ela, deveria ter tido gêmeos em 2010) e da presidenta Dilma Rousseff (“Acredito que ela será uma mulher muito forte no poder, e quem sabe encontre um grande amor”). Às chamadas pessoas comuns, ela distribui simpatias e conselhos, tanto pela internet quanto ao vivo. Para conseguir um emprego, por exemplo, basta ter estômago para preparar uma mistura de borra de café com farinha de mandioca, uma gema de ovo e uma nota de 2 reais, e guardar isso na geladeira até a concretização do feito. Colocar uma flor de laranjeira despetalada em um vaso de vidro com o nome do apaixonado e do pretendente dá bons resultados. Contra “irmãs rebeldes e danadinhas”, um anjo de cerâmica com asas cor-de-rosa deve ter os pés untados por uma colherada de mel. É tiro e queda, segundo ela.

Pelo seu site, é possível ainda contratar um serviço de aconselhamento por um ano inteiro, com previsões nos campos afetivo, profissional, de saúde e mesmo turístico – Mãe Dináh lista os lugares favoráveis e a época para as viagens desejadas. Uma série de dicas de números para jogo – que variam de acordo com o nome completo e a data de nascimento do aflito – também faz parte do leque de serviços prestados.

“Várias pessoas que vieram até mim ganharam na Mega-Sena com os números que eu enxerguei”, ela disse. “Uma vez, lavando a louça, a santinha que eu tenho na cozinha desceu do altar e me entregou um papel com muitos números. Disse que eu jogasse com eles. Mas como sou muito católica, e jogar é contra a minha religião, dei os números a um parente que precisava de dinheiro. Ele aceitou e ficou muito rico.”

Mãe Dináh não se rende a fraquezas humanas como o desconhecimento: ela tudo prevê, mesmo aquilo que não sabe. Com exceção, talvez, do que está a menos de 1 metro de seus olhos, consequência de problemas na vista. É uma mulher que enxerga, sem tarô, cartas ou bolas de cristal, o futuro e seus arrabaldes.

Ao atender à ligação para esta entrevista, Mãe Dináh disse já saber do contato. Ela deve ter “enxergado” as três ligações anteriores, mas atendeu desconfiada. “O que você quer com a Mãe Dináh?”, perguntou uma voz fininha, mas ingenuamente reconhecível. Vencida pelo cansaço, a voz engrossou e Mãe Dináh surgiu, enfim, com seu sotaque tão conhecido e propagado não só pelas previsões, mas também pelas participações especiais em atrações humorísticas. Dia desses, ela voltou a dar as caras na programação televisiva. No quadro “Çoletrano” – paródia ao homônimo de grafia correta da Rede Globo –, do programa Pânico na TV, pôs à prova os poderes de vidente. O desafio era citar as letras que compõem a palavra “mágoa”, mas aí não houve vidência que desse jeito.

“M-A... ah, agora a outra tá me fugindo, as outras duas não estou enxergando”, rendeu-se. “Tá tudo escuro pra mim.”

Visite a página da revista piauí no Orkut