Estadão.com.br
‹ Ir para edição atual

Busca avançada





  • Edição 91
  • Edição 90
  • Edição 89
  • Edição 88
  • Edição 87
  • Edição 86
  • Edição 85
  • Edição 84
  • Edição 83
  • Edição 82
  • Edição 81
  • Edição 80
  • Edição 79
  • Edição 78
  • Edição 77
  • Edição 76
  • Edição 75
  • Edição 74
  • Edição 73
  • Edição 72
  • Edição 71
  • Edição 70
  • Edição 69
  • Edição 68
  • Edição 67
  • Edição 66
  • Edição 65
  • Edição 64
  • Edição 63
  • Edição 62
  • Edição 61
  • Edição 60
  • Edição 59
  • Edição 58
  • Edição 57
  • Edição 56
  • Edição 55
  • Edição 54
  • Edição 53
  • Edição 52
  • Edição 51
  • Edição 50
  • Edição 49
  • Edição 48
  • Edição 47
  • Edição 46
  • Edição 45
  • Edição 44
  • Edição 43
  • Edição 42
  • Edição 41
  • Edição 40
  • Edição 39
  • Edição 38
  • Edição 37
  • Edição 36
  • Edição 35
  • Edição 34
  • Edição 33
  • Edição 32
  • Edição 31
  • Edição 30
  • Edição 29
  • Edição 28
  • Edição 27
  • Edição 26
  • Edição 25
  • Edição 24
  • Edição 23
  • Edição 22
  • Edição 21
  • Edição 20
  • Edição 19
  • Edição 18
  • Edição 17
  • Edição 16
  • Edição 15
  • Edição 14
  • Edição 13
  • Edição 12
  • Edição 11
  • Edição 10
  • Edição 9
  • Edição 8
  • Edição 7
  • Edição 6
  • Edição 5
  • Edição 4
  • Edição 3
  • Edição 2
  • Edição 1


questões musicais

  • Lucas Arruda

    Lucas Arruda

    Lendo entrevista do Ed Motta sobre o seu disco novo AOR, que devo comentar mais tarde por aqui, vi o cara falando sobre Lucas Arruda, compositor e tecladista do Espírito Santo. Ed não é muito de elogiar ninguém, isso me levou a procurar sobre Lucas.

    Contactei Lucas pelo Facebook depois de ouvir algumas faixas no seu Soundcloud, e pedi pra ouvir seu disco novo que está prestes a sair.

    Lucas tem claramente uma relação próxima com a soul music americana, e domina esse idioma. Mas tem também um lado de Fender Rhodes brasileiro sério, na melhor tradição de Marcos Valle e João Donato . — Leia o post completo.


  • Break

    Break

    Pra passar o tempo um pouco de Breakdance saudosista. — Leia o post completo.


  • Nova cena

    Nova cena

    Uma nova cena no Rio tem me chamado a atenção. Falo primeiro sobre o Negro Léo: casado com Ava Rocha, uma das cantoras mais interessantes daqui do Rio, filha de Glauber irmã de Eryk. Léo parece um Jards Macalé extremo e mais experimental. — Leia o post completo.


  • Lenny Breau / Marku Ribas

    Lenny Breau / Marku Ribas

    Meu amigo Joey Altruda, um grande músico e arranjador, me apresentou meses atrás Lenny Breau. Aquilo acabou comigo desde então. Ouço sempre suas gravações. Vale a pena conferir o maravilhoso documentário que a filha dele fez sobre ele, contando sobre a sua estranha vida e morte.

     — Leia o post completo.


  • The Cure, uma banda que não envelheceu

    The Cure, uma banda que não envelheceu

    Gostava deles já, até porque pra mim Close to me é facilmente uma das melhores gravações de todos os tempos se eu fosse fazer uma lista. Tive a chance de vê-los ao vivo anos atrás no festival Fuji Rock no Japão. — Leia o post completo.


  • Obsessão estranha

    A música leva a gente a lugares inesperados, e é incrivel ver que ainda surfo essa onda. Começo hoje, assumindo o lugar da minha querida Eliete Negreiros (não conheço pessoalmente mas é querida através da música), a falar sobre essa obsessão estranha que tenho desde pequeno .

    Comecei a ouvir música cedo, através do meu irmão mais velho, Gilberto. Ele era discotecário, antes dessa profissao virar "DJ" e ser um conceito confuso como a bossa nova. Enfim, em casa quando eu era pequeno ouvíamos discos o dia todo, um atrás do outro. Mais tarde, aos 8, comecei a tocar junto com os discos. Mais tarde ainda comecei a tocar dentro deles, e depois a fazê-los e planejá-los do início - o que provavelmente me trouxe aqui a esse blog. — Leia o post completo.


  • Dolores Duran, Estrada do Sol

    "É de manhã/ Vem o sol mais os pingos da chuva que ontem caiu/ Ainda estão a brilhar/ Ainda estão a cantar/ Ao vento alegre que me faz esta canção..." Domingo silencioso, ameno. — Leia o post completo.


  • Nelson Cavaquinho, Luz Negra

    Nelson Cavaquinho, Luz Negra

    A luz negra de um destino cruel/ Ilumina o teatro sem cor/Onde estou desempenhando o papel/ De palhaço do amor,canta Nelson Cavaquinho. O sentimento trágico que advém de saber que somos regidos por uma força cega, superior a nós, caprichosa, que decide nossa felicidade ou infortúnio, a impossibilidade de reagir diante do que nos acontece, seja o bem ou o mal, o sentimento de desproteção , o temor, o desencanto e o desespero que isto acarreta, esta luz negra que ilumina o lado sombrio da vida, é o espectro sonoro de muitas das canções que Nelson Cavaquinho canta. — Leia o post completo.


  • Salve Mestre Candeia

    Salve Mestre Candeia

    Mestre Candeia, Antonio Candeia Filho, nasceu, viveu e morreu no Rio de Janeiro (1935-1978). Com o samba-enredo Seis datas magnas recebeu nota máxima em todos os quesitos e tornou sua escola, a Portela, campeã em 1953. Candeia fundou a ala da mocidade da Portela e depois fez parte da ala dos impossíveis. No ano de 57, entrou para a Polícia Civil, trabalhando como investigador, mas levou um tiro na coluna, ficou paralitico. Abandonou a carreira na Polícia e passou a se dedicar exclusivamente à vida artística. Com seu samba enredo Legados de D. João VI, a Portela foi campeã em 1955, e com Brasil, panteão de glórias, em parceria com Bubu, Casquinha, Waldir 59 e Picolino, Portela foi campeã em 59. — Leia o post completo.


  • O sincretismo de Baden Powell

    O sincretismo de Baden Powell

    Nunca mais me  esqueci, Teatro Gazeta, aquele violão do Baden ecoando pela sala e a voz grave e  majestosa de  Márcia cantando os afro-sambas: Pedra preta diz pandeiro tem que pandeirá /  Pedra preta diz, viola tem que violá / O galo no terreiro fora de hora cantô / Pandeiro foi se embora e pedra preta gritô / Ulô pandeiro, ulô viola, / Ulô pandeiro, ulô viola. De estarrecer. — Leia o post completo.




Visite a página da revista piauí no Orkut