Estadão.com.br
‹ Ir para edição atual

Busca avançada





  • Edição 91
  • Edição 90
  • Edição 89
  • Edição 88
  • Edição 87
  • Edição 86
  • Edição 85
  • Edição 84
  • Edição 83
  • Edição 82
  • Edição 81
  • Edição 80
  • Edição 79
  • Edição 78
  • Edição 77
  • Edição 76
  • Edição 75
  • Edição 74
  • Edição 73
  • Edição 72
  • Edição 71
  • Edição 70
  • Edição 69
  • Edição 68
  • Edição 67
  • Edição 66
  • Edição 65
  • Edição 64
  • Edição 63
  • Edição 62
  • Edição 61
  • Edição 60
  • Edição 59
  • Edição 58
  • Edição 57
  • Edição 56
  • Edição 55
  • Edição 54
  • Edição 53
  • Edição 52
  • Edição 51
  • Edição 50
  • Edição 49
  • Edição 48
  • Edição 47
  • Edição 46
  • Edição 45
  • Edição 44
  • Edição 43
  • Edição 42
  • Edição 41
  • Edição 40
  • Edição 39
  • Edição 38
  • Edição 37
  • Edição 36
  • Edição 35
  • Edição 34
  • Edição 33
  • Edição 32
  • Edição 31
  • Edição 30
  • Edição 29
  • Edição 28
  • Edição 27
  • Edição 26
  • Edição 25
  • Edição 24
  • Edição 23
  • Edição 22
  • Edição 21
  • Edição 20
  • Edição 19
  • Edição 18
  • Edição 17
  • Edição 16
  • Edição 15
  • Edição 14
  • Edição 13
  • Edição 12
  • Edição 11
  • Edição 10
  • Edição 9
  • Edição 8
  • Edição 7
  • Edição 6
  • Edição 5
  • Edição 4
  • Edição 3
  • Edição 2
  • Edição 1


questões manuscritas

  • O passaporte virgem de Nelson Rodrigues

    O passaporte virgem de Nelson Rodrigues

    O documento reproduzido nesta página é o último passaporte emitido em seu nome, em abril de 1970, quando o grande dramaturgo tinha 57 anos. É possível que planejasse alguma viagem à Copa do Mundo de 1970, que ocorreu no México dois meses após a emissão do documento, mas sua saúde já começava a declinar nessa época. Isso talvez explique porque o passaporte deixou de ser usado ou renovado nos dez anos que Nelson ainda teve de vida, e permaneceu virgem de qualquer carimbo de país estrangeiro. — Leia o post completo.


  • Jango pede um favor a Juscelino

    Jango pede um favor a Juscelino

    O documento reproduzido nesta página ajuda a evocar a avassaladora quantidade de trocas epistolares entre as diversas autoridades do século XX, quase sempre com o objetivo de obter empregos, recomendar pessoas ou trocar favores.

    A pequena carta é interessante pois liga os nomes de dois protagonistas da política brasileira, que dois anos mais tarde tornariam-se presidente e vice-presidente da República: Juscelino Kubitschek e João Goulart.

     — Leia o post completo.


  • O Schindler brasileiro

    O Schindler brasileiro

    O embaixador Luís Martins de Sousa Dantas é hoje reconhecido por ter concedido mais de quinhentos vistos para refugiados judeus em 1940, contra as restrições então vigentes do governo brasileiro. Mesmo tendo salvado muitas vidas, passou mais de quarenta anos esquecido. Teve sua atuação reestudada nas últimas duas décadas e ganhou o título póstumo de “Justo entre as nações”, concedido àqueles que mais ajudaram a proteger judeus durante a II Guerra Mundial.

    É conhecido agora por isso como o “Schindler brasileiro”, uma referência a Oskar Schindler, o herói do famoso filme de Steven Spielberg “A Lista de Schindler”. — Leia o post completo.


  • Governador Bush responde

    Governador Bush responde

    Os governadores são sempre muito atentos aos pedidos dos eleitores, pois um pequeno passo em falso pode significar, numa reeleição, a perda de muitos votos. Nesse sentido, o gabinete do governador procurava atender ao máximo a todos os pedidos, mesmo aquele, de um simples aluno da escola cristã Midland, Brent Crockett, que tinha como dever escolar entrevistar uma pessoa famosa.

    Brent mandou, em setembro de 1996, uma série de perguntas ao governador, que Bush respondeu a lápis nas duas páginas do próprio fax do questionário. — Leia o post completo.


  • Roosevelt e a selva amazônica

    Roosevelt e a selva amazônica

    Há pouco mais de cem anos, o ex-presidente dos Estados Unidos, Theodore Roosevelt, que havia governado seu país de 1901 a 1909, queria realizar um sonho aventureiro de infância e participar de uma expedição pela selva amazônica.

    Teve a inteligência de aproveitar a recomendação do então ministro das Relações Exteriores do Brasil, Lauro Muller, que lhe propôs o melhor guia que podia esperar obter naquele momento: o futuro Marechal Rondon, então Coronel Cândido Mariano da Silva Rondon. O militar orientou a viagem do ex-presidente americano, que quase morreu das febres tropicais contraídas em suas andanças, apesar de todos os cuidados de Rondon. — Leia o post completo.


  • Os tempos de Orson Welles

    Os tempos de Orson Welles

    Orson Welles é lembrado no século XXI como o diretor daquele que muitos consideram o filme mais importante do século XX, Cidadão Kane, que Welles realizou em 1941, com apenas 26 anos.

    Welles também teve um papel importante para o Brasil ao produzir e dirigir o filme inacabado (e nunca exibido em vida do cineasta), Is all true, (É tudo verdade) que o levou a passar vários meses entre nós em 1942.

    Uma faceta menos conhecida de Welles é seu talento de desenhista, patente nos dois autorretratos mostrados nesta página, separados por quase 40 anos. — Leia o post completo.


  • Gays na corte de D. João VI

    Gays na corte de D. João VI

    A correspondência entre Lord Strangford, embaixador inglês no Rio de Janeiro em 1810, e o conde de Funchal, então embaixador português na Inglaterra, tinha seu lado oficial e formal, mas era também composta por cartas confidenciais. Em muitas delas, Strangford pede que Funchal destrua sua carta. Mas o diplomata português desobedeceu o pedido, pois encadernou depois num volume todos os originais dessa correspondência privada. Esta permanece inédita, 200 anos mais tarde, e nos permite hoje uma visão privilegiada sobre os extraordinários acontecimentos dos primeiros anos de D. João IV no Brasil, quando Strangford negociava aquele que muitos consideram o acordo mais desfavorável já assinado pelo Brasil: o Tratado de 1810 com a Inglaterra. — Leia o post completo.


  • Um fragmento de Santa Bernadete

    Um fragmento de Santa Bernadete

    Nas primeiras décadas do século XX foram canonizadas três freiras francesas que passaram imediatamente a fazer parte do grupo de santos católicos mais populares e venerados em todo o mundo: Santa Terezinha do Menino Jesus, Santa Catarina Labouré e Santa Bernadete. A primeira é lembrada por sua vocação precoce e sua morte aos 24 anos, após dez de vida religiosa. A segunda foi testemunha de aparições da Virgem Maria em Paris, que lhe indicou o modelo da hoje chamada" medalha milagrosa." — Leia o post completo.


  • O olhar de Zapata

    O olhar de Zapata

    Zapata foi, juntamente com Pancho Villa, o líder mais famoso da Revolução Mexicana de 1910 e estava no auge de seu poder influência, aos 35 anos, em 1915, quando posou com olhar algo intenso, algo perdido para esta imagem no estúdio do fotógrafo H. J. Gutierrez na Cidade do México, usando seu uniforme de “charro”, típico da região onde nasceu.

    A foto é dedicada ao General Domingos Arenas, que Zapata considerava então seu aliado, mas que depois hesitou, o traiu e pretendia voltar para o lado de Zapata quando foi assassinado em 1917, aos 29 anos. Também Zapata foi assassinado dois anos mais tarde, aos 39 anos, e sua morte precoce e trágica congelou sua lenda. — Leia o post completo.


  • Os rabiscos de Napoleão

    Os rabiscos de Napoleão

    Na folha e no verso mostrados nesta página, tudo indica que Napoleão, provavelmente entediado pela reunião de nomeação dos bispos, tenha desenhado o que parece ser os contornos de um forte, assunto muito mais próximo de suas preocupações que a política religiosa. No verso, o desenho num dos cantos segue o mesmo princípio. — Leia o post completo.




Visite a página da revista piauí no Orkut