Estadão.com.br
‹ Ir para edição atual

Busca avançada





  • Edição 106
  • Edição 105
  • Edição 104
  • Edição 103
  • Edição 102
  • Edição 101
  • Edição 100
  • Edição 99
  • Edição 98
  • Edição 97
  • Edição 96
  • Edição 95
  • Edição 94
  • Edição 93
  • Edição 92
  • Edição 91
  • Edição 90
  • Edição 89
  • Edição 88
  • Edição 87
  • Edição 86
  • Edição 85
  • Edição 84
  • Edição 83
  • Edição 82
  • Edição 81
  • Edição 80
  • Edição 79
  • Edição 78
  • Edição 77
  • Edição 76
  • Edição 75
  • Edição 74
  • Edição 73
  • Edição 72
  • Edição 71
  • Edição 70
  • Edição 69
  • Edição 68
  • Edição 67
  • Edição 66
  • Edição 65
  • Edição 64
  • Edição 63
  • Edição 62
  • Edição 61
  • Edição 60
  • Edição 59
  • Edição 58
  • Edição 57
  • Edição 56
  • Edição 55
  • Edição 54
  • Edição 53
  • Edição 52
  • Edição 51
  • Edição 50
  • Edição 49
  • Edição 48
  • Edição 47
  • Edição 46
  • Edição 45
  • Edição 44
  • Edição 43
  • Edição 42
  • Edição 41
  • Edição 40
  • Edição 39
  • Edição 38
  • Edição 37
  • Edição 36
  • Edição 35
  • Edição 34
  • Edição 33
  • Edição 32
  • Edição 31
  • Edição 30
  • Edição 29
  • Edição 28
  • Edição 27
  • Edição 26
  • Edição 25
  • Edição 24
  • Edição 23
  • Edição 22
  • Edição 21
  • Edição 20
  • Edição 19
  • Edição 18
  • Edição 17
  • Edição 16
  • Edição 15
  • Edição 14
  • Edição 13
  • Edição 12
  • Edição 11
  • Edição 10
  • Edição 9
  • Edição 8
  • Edição 7
  • Edição 6
  • Edição 5
  • Edição 4
  • Edição 3
  • Edição 2
  • Edição 1
  • Edição 0


questões manuscritas

  • Cecília Meireles a cores

    Cecília Meireles a cores

    A grande poeta brasileira Cecília Meireles foi casada por 13 anos com o pintor português Fernando Correia Dias. A imagem desta página é um lindo trabalho conjunto do casal para o álbum de uma amiga. Esta obra, reminiscente das iluminuras medievais, é talvez a mais bela página de álbum realizada a quatro mãos no Brasil por um poeta e um artista da primeira metade do século XX. — Leia o post completo.


  • Mulheres de Bukowski

    Mulheres de Bukowski

    Nos vinte e um anos que se passaram desde sua morte, a reputação do escritor americano Charles Bukowski só fez crescer. Era já extensa em 1994, quando morreu, aos 73 anos e muito antes a força de sua poesia havia sido exaltada por ninguém menos que Jean Paul Sartre e outros exigentes leitores em todo mundo. — Leia o post completo.


  • Sartre recusa o Nobel

    Sartre recusa o Nobel

    O filósofo e romancista francês Jean Paul Sartre surpreendeu o mundo em 1964 ao recusar a mais alta distinção literária criada no século XX, o Prêmio Nobel de Literatura. A rejeição ao prêmio não era inédita. O escritor russo Boris Pasternak havia sido forçado pelo Governo Soviético a recusar seu prêmio em 1958, obviamente contra sua própria vontade. — Leia o post completo.


  • Neruda, Amado e Prestes

    Neruda, Amado e Prestes

    A imagem reproduzida nessa página registra um encontro raro ocorrido em 1945 entre Pablo Neruda, Jorge Amado e Luiz Carlos Prestes. A foto é também notável por trazer a assinatura dos três. A reunião foi organizada na casa do cunhado de Prestes, em virtude da admiração de Neruda e Amado pelo principal líder comunista brasileiro, de quem o escritor baiano havia publicado em 1942 uma biografia, intitulada “O Cavaleiro da Esperança”. — Leia o post completo.


  • A casa de Hemingway em Cuba

    Nos últimos anos de sua vida, já consagrado após ter recebido o prêmio Nobel de literatura em 1954, o americano Ernest Hemingway viveu sobretudo na casa que comprara em Cuba em 1939 e que batizara de Finca Vigia. Hemingway adorava a cidade de Havana, vizinha de sua propriedade, mas a Cuba que conheceu melhor foi a dos ditadores que se sucederam até a Revolução Cubana, especialmente o último, Fulgêncio Batista, que presidiu o país de 1952 a 1959.

    Hemingway teve simpatia por Fidel Castro e seus companheiros. Acreditou nas perspectivas idealistas que se abriam para o país que amava, mas não chegou a conviver com o novo regime, pois suicidou-se nos Estados Unidos em 1961, quando Cuba era dominada por Castro havia menos de dois anos. Há fotos suas com Fidel, cartas e declarações nas quais deseja “boa sorte” à Revolução Cubana, mas nada muito explicito além disso.

     — Leia o post completo.


  • Um Dalton Trevisan inédito

    Um Dalton Trevisan inédito

    No dia 14 de junho de 2015, Dalton Trevisan completa 90 anos. Notoriamente avesso a qualquer exposição publica, passará esse dia como todos os outros: no mais completo anonimato, preservado da curiosidade de seus leitores e na presença apenas de sua família e de alguns amigos muito próximos. — Leia o post completo.


  • Um Travesti Pioneiro

    Um Travesti Pioneiro

    No começo do século XX, quando a homossexualidade era ainda crime em quase todos os países e a imensa maioria das pessoas nunca ouvira falar em transexuais, um jovem romeno fazia sucesso vestido de mulher ao cantar com voz de soprano em palcos de toda a Europa. — Leia o post completo.


  • Desenho de Huguito Chávez quando jovem

    Desenho de Huguito Chávez quando jovem

    O desenho infantil reproduzido nesta página ganhou na escola uma nota máxima (20 sobre 20) com felicitações da professora para o aluno Huguito, de 6 anos de idade. Ao lado do desenho, o orgulhoso pai da talentosa criança não resistiu a comentá-lo, como se o menino pudesse entender plenamente seu vocabulário e suas obsessões de adulto. — Leia o post completo.


  • A mulher do Faraó

    A mulher do Faraó

    A fotografia mostrada nessa página (assim como seu detalhe ampliado) nos remete a um tempo heroico do cinema, quando o diretor alemão Ernst Lubitsch, já famoso na Europa, aos 28 anos, por filmes realizados no final dos anos 1910, obtém em seu país, em 1920, um financiamento gigantesco para realizar o épico com o qual pretende impressionar Hollywood, uma superprodução intitulada “A mulher do Faraó”. — Leia o post completo.


  • Drummond concreto

    Drummond concreto

    A peça reproduzida nesta página é um belo exemplo dos poemas de circunstância que Drummond tinha prazer em mandar aos amigos com mensagens carinhosas escritas em vários tons de caneta hidrocor, à guisa de cartão de Natal ou de aniversário (ou mesmo com linhas amorosas para suas namoradas). — Leia o post completo.




Visite a página da revista piauí no Orkut