Estadão.com.br
‹ Ir para edição atual

Busca avançada





  • Edição 97
  • Edição 96
  • Edição 95
  • Edição 94
  • Edição 93
  • Edição 92
  • Edição 91
  • Edição 90
  • Edição 89
  • Edição 88
  • Edição 87
  • Edição 86
  • Edição 85
  • Edição 84
  • Edição 83
  • Edição 82
  • Edição 81
  • Edição 80
  • Edição 79
  • Edição 78
  • Edição 77
  • Edição 76
  • Edição 75
  • Edição 74
  • Edição 73
  • Edição 72
  • Edição 71
  • Edição 70
  • Edição 69
  • Edição 68
  • Edição 67
  • Edição 66
  • Edição 65
  • Edição 64
  • Edição 63
  • Edição 62
  • Edição 61
  • Edição 60
  • Edição 59
  • Edição 58
  • Edição 57
  • Edição 56
  • Edição 55
  • Edição 54
  • Edição 53
  • Edição 52
  • Edição 51
  • Edição 50
  • Edição 49
  • Edição 48
  • Edição 47
  • Edição 46
  • Edição 45
  • Edição 44
  • Edição 43
  • Edição 42
  • Edição 41
  • Edição 40
  • Edição 39
  • Edição 38
  • Edição 37
  • Edição 36
  • Edição 35
  • Edição 34
  • Edição 33
  • Edição 32
  • Edição 31
  • Edição 30
  • Edição 29
  • Edição 28
  • Edição 27
  • Edição 26
  • Edição 25
  • Edição 24
  • Edição 23
  • Edição 22
  • Edição 21
  • Edição 20
  • Edição 19
  • Edição 18
  • Edição 17
  • Edição 16
  • Edição 15
  • Edição 14
  • Edição 13
  • Edição 12
  • Edição 11
  • Edição 10
  • Edição 9
  • Edição 8
  • Edição 7
  • Edição 6
  • Edição 5
  • Edição 4
  • Edição 3
  • Edição 2
  • Edição 1
  • Edição 0


questões de forno e fogão

  • Vamos passear?

    Vamos passear?

    Esta e nossas próximas conversas serão sobre comidas e lugares londrinos. Para começar, vamos falar de Fish and Chips, uma maravilha. Até o final do século passado era muito fácil encontrar um bom (e o péssimo também) fish and chips. Era um fast-food muito comum, refeição de trabalhador e estudante sem dinheiro. O freguês encharcava o conteúdo do cone feito de jornal com sal e vinagre de malte e ia comer em algum banco de rua. Pessoas da classe média jamais seriam vistas comendo fritura, muito menos embrulhada em jornal. Agora que as tea shops foram substituídas por Starbucks, 'chai' e capuccino, as tortas tradicionais por panini, comer fish and chips ficou cool. Virou programa. O duro é encontrar um lugar em que a comida seja melhor do que o design da loja. — Leia o post completo.


  • Patê de legumes

    Patê de legumes

    Fizemos esta receita para o lanche no fechamento passado e ficou muito boa, agradou. É simples, não é cara e rende bastante. É ótima para final de fechamento, quando a fome vem em ondas e muitas vezes. O ideal é ter bastante pão de forma de centeio ou de trigo integral em acervo, para acompanhar o patê. — Leia o post completo.


  • Pasta de atum para sanduíche

    Pasta de atum para sanduíche

    Com o calorão de torrar passarinho que tem feito, fica difícil pensar em ligar o forno, ainda mais um violento como o nosso, que transforma a cozinha numa fornalha. Só dá para enfrentar o suplício se o resultado for certeiro e garantido, como o bolo de laranja com ganache de chocolate de ontem. Para testar receita, nem pensar. Por isso, resolvemos experimentar algo que dispensasse fogão. Claro que se pudesse votar, a redação preferiria mil vezes encontrar um bolinho na mesa do lanche, mas a pasta de atum funcionou muito dignamente e agradou. De abridor de latas na mão, vamos à receita: — Leia o post completo.


  • Ragú (não ortodoxo)

    Ragú (não ortodoxo)

    Como o elemento vegetariano da redação não viria para o almoço, resolvemos aproveitar para fazer um molho clássico e com cara de almoço de domingo em casa de avó: ragú. O nosso é uma releitura rápida. O ragú napolitano, o de verdade mesmo, começa no sábado para aparecer na mesa no almoço de domingo. O músculo de boi estava bonito e em oferta no mercado, mais um incentivo. Usamos passata de tomates já que o tomate está tão caro que torna absurdo fazer o molho clássico, com quilos de tomates frescos e também porque não dá para ficar apurando molho para almoço na redação, demora demais. — Leia o post completo.


  • As sublimes esfihas da Alzira

    As sublimes esfihas da Alzira

    Na sexta-feira recebemos uma visita muito especial. Alzira, que faz a melhor esfiha de São Paulo, veio especialmente para dar uma demonstração prática na Cozinha Transcendental. Ela já tinha nos enviado a receita das esfihas e até tentamos fazer aqui, mas as nossas não ficaram nem pálida sombra da original. Ficaram secas e meio duras, muito austeras. Desta vez as esfihas ficaram lindas, bochechudas, macias e perfumadas. Uma alegria. — Leia o post completo.


  • Biscoitos de queijo para acompanhar o cafezinho

    Biscoitos de queijo para acompanhar o cafezinho

    Já notaram que neste fechamento não estão aparecendo receitas de novas de comidas, não? Continuamos com nossos almoços, claro, mas resolvemos matar a saudade dos clássicos prediletos, e todas as receitas já apareceram aqui. Tivemos conchiglione à parmigiana, arroz, feijão e carne com chuchu, moqueca da Cris, e hoje teremos a nossa massa com legumes. Ontem fizemos uns biscoitinhos para o lanche e não deu tempo de passar a receita, que segue hoje. A massa assada fica na divisa entre biscoito e pão de queijo, e crua é igualzinha à do pão de queijo. Os biscoitos ficaram bonitos e foram devorados, mas poderiam ter ficado mais gostosos. O queijo curado que usamos não era lá essas coisas, nos arrependemos de não ter substituído por parmesão ralado. Se fosse o da Serra da Canastra que Bernardo às vezes contrabandeia, teria ficado infinitamente melhor. — Leia o post completo.


  • Pretzels macios e gostosos

    Pretzels macios e gostosos

    Pretzels (é um misto de pão e biscoito) são muito comuns nos Estados Unidos, vendidos em barraquinhas que geralmente ficam nas imediações das escolas e universidades. O freguês compra o pretzel, ganha um copinho com mostarda e sai comendo pela pela rua. De cara não é apaixonante mas, como o arroz com manga, basta provar uma vez para querer mais. O resultado é muito bonito, vale a pena fazer. — Leia o post completo.


  • Pão de queijo: uma experiência no exílio

    Pão de queijo: uma experiência no exílio

    O entusiasmo da Cozinha Transcendental pelo mais amado dos salgados brasileiros deixa qualquer um morrendo de vontade. Post após post de receitas e avaliações e o contágio é inevitável. A boca se enche de água e o pensamento entra num loop; aparece uma voz vindo de longe, hipnotizando… pão de queijo, pão de queijo, pão de queijo… Mas a terra onde polvilho é comum e abundante está longe. Do lado de cá do mundo nada de polvilho, nem doce e nem azedo. Satisfaria até polvilho amargo ou polvilho umami – sabor que aceitaríamos assentindo veementemente com a cabeça, mas ninguém sabe dizer exatamente como é e onde tem – se isso significasse um pão de queijo dourado e gostoso recém saído do forno. — Leia o post completo.


  • E dá-lhe pão de queijo. Viva!

    E dá-lhe pão de queijo. Viva!

    Pão de queijo premiado (com queijo da Serra da Canastra)

    A receita da maravilha premiada servida no Lá da Venda (São Paulo) é de Heloísa Bacellar, cozinheira extraordinária de quem a Cozinha Transcendental é grande fã. Por enquanto, só tivemos o prazer de conhecer as obras comestíveis e impressas de Heloísa, mas quem sabe, um dia vamos conhecer também a artista. Acontece que, como tudo que ela faz, a receita do pão de queijo é meticulosa e recomendava o uso de um típico específico de polvilho artesanal (que não conseguimos encontrar no Rio) e queijo da Serra da Canastra, artigo raríssmo fora de Minas, pois como as relíquias de Angkor ou os tapetes do Turkmenistão, só deixam o lugar de origem se contrabandeados. — Leia o post completo.


  • Pão de queijo: mais um emocionante capítulo

    Pão de queijo: mais um emocionante capítulo

    Pão de queijo do Rodeio

    A equipe da Cozinha Transcendental é fã ardorosa de pão de queijo, especialmente nos lanches dos fechamentos. A visão de uma bela cesta cheia de bolinhas douradas e quentes é a melhor injeção de ânimo e bom humor e foi assim que na sexta feira passada submetemos mais uma receita dos nossos arquivos ao rigoroso crivo do Renato, nosso editor e autoridade máxima no assunto. Leia a seguir os comentários, a avaliação comparativa e veja a pontuação desta receita: — Leia o post completo.


  • O irresistível pão de queijo da Yara

    O irresistível pão de queijo da Yara

    Pão de queijo da Yara

    Fica o aviso, quem estiver compenetrado na dieta não deve se expor a esta receita: é impossível comer pouco. Hoje vamos publicar uma versão de pão de queijo maravilhosa, um verdadeiro triunfo. Por luxo, é muito simples de fazer, rápida e não exige saber além de medir ingredientes, ligar liquidificador e acender forno. Dá para sentir vontade de comer e concretizar o desejo sem que a preguiça tenha chance de se instalar e atrapalhar- por exemplo, no café da manhã. É perfeitamente possivel ir da cama à mesa com uma bela fornada quentinha em cerca de 30 minutos. OK, talvez um pouquinho mais, dependendo do vigor do forno e do desembaraço do cozinheiro ao acordar. — Leia o post completo.


  • A inelutável sedução dos porcaritos

    A inelutável sedução dos porcaritos

    Pizza de padaria feita em casa

    A Cozinha Transcendental endossa uma dieta saudável e equilibrada, os produtos orgânicos, as folhas em abundância, os filezinhos de peito de frango grelhados, muesli, açaí com xarope de guaraná e essa coisarada toda, é claro. — Leia o post completo.


  • Cozinha é uma caixinha de surpresas

    Cozinha é uma caixinha de surpresas

    Pão de queijo de forminha

    Conforme prometemos, aqui estão os resultados da segunda etapa da Epopéia Pão de Queijo, enfrentamento que desta vez terminou em um glorioso (e merecido) Cozinha Transcendental 1 X 0 Pão de queijo de forminha.  — Leia o post completo.


  • Festejando com tapas

    Festejando com tapas

    Tapas espanholas da Cris

    Tapas não são tapas nas terras de Cervantes. São porções, petiscos pequenos, que fazem par perfeito com os vinhos, as cervejas e os cavas (espumante) da Espanha. Forram o estômago de qualquer um a qualquer hora do dia e da noite e são uma maravilha por que permitem que se beba um pouquinho a mais sem perder a linha. Qualquer espanhol sabe que é sempre bom ter na geladeira os ingredientes de ao menos uma receita de tapa – coisa de fácil preparo e grande satisfação. — Leia o post completo.


  • Despensa minimalista

    Despensa minimalista

    Brusqueta com alho e azeite & Macarrão aglio e olio (alho e azeite)

    O que não pode faltar quando não temos "nada" no armário da cozinha:
    • Sal
    • Azeite de oliva, de preferência um bom extra virgem
    • Alho
    • Ovos
    • Pão
    • Vários pacotes de massa. Ou um, pelo menos, de spaghetti
    • Parmesão, pecorino, grana ou qualquer outro queijo ralável
    • Salsinha Com esses ingredientes você pode preparar alguns grandes clássicos da cozinha italiana e matar a fome com categoria. — Leia o post completo.



Visite a página da revista piauí no Orkut