Estadão.com.br
‹ Ir para edição atual

Busca avançada





  • Edição 91
  • Edição 90
  • Edição 89
  • Edição 88
  • Edição 87
  • Edição 86
  • Edição 85
  • Edição 84
  • Edição 83
  • Edição 82
  • Edição 81
  • Edição 80
  • Edição 79
  • Edição 78
  • Edição 77
  • Edição 76
  • Edição 75
  • Edição 74
  • Edição 73
  • Edição 72
  • Edição 71
  • Edição 70
  • Edição 69
  • Edição 68
  • Edição 67
  • Edição 66
  • Edição 65
  • Edição 64
  • Edição 63
  • Edição 62
  • Edição 61
  • Edição 60
  • Edição 59
  • Edição 58
  • Edição 57
  • Edição 56
  • Edição 55
  • Edição 54
  • Edição 53
  • Edição 52
  • Edição 51
  • Edição 50
  • Edição 49
  • Edição 48
  • Edição 47
  • Edição 46
  • Edição 45
  • Edição 44
  • Edição 43
  • Edição 42
  • Edição 41
  • Edição 40
  • Edição 39
  • Edição 38
  • Edição 37
  • Edição 36
  • Edição 35
  • Edição 34
  • Edição 33
  • Edição 32
  • Edição 31
  • Edição 30
  • Edição 29
  • Edição 28
  • Edição 27
  • Edição 26
  • Edição 25
  • Edição 24
  • Edição 23
  • Edição 22
  • Edição 21
  • Edição 20
  • Edição 19
  • Edição 18
  • Edição 17
  • Edição 16
  • Edição 15
  • Edição 14
  • Edição 13
  • Edição 12
  • Edição 11
  • Edição 10
  • Edição 9
  • Edição 8
  • Edição 7
  • Edição 6
  • Edição 5
  • Edição 4
  • Edição 3
  • Edição 2
  • Edição 1


questões da ciência

  • Raio X da ciência aberta

    Raio X da ciência aberta

    A ciência aberta, publicada em revistas de acesso livre ao público, nunca cresceu tanto. Um estudo recém-divulgado mostra que, só em 2009, quase 200 mil artigos foram publicados em periódicos que não cobram pelo acesso. A realização do mais completo levantamento sobre o tema é um pretexto oportuno para discutir o livre acesso à produção científica brasileira, que é na maior parte custeada pela sociedade. — Leia o post completo.


  • Sopa de letrinhas

    Sopa de letrinhas

    Perguntar a um professor universitário o que ele acha do sistema de avaliação da produtividade dos pesquisadores brasileiros é garantia de um longo e acalorado debate. É difícil encontrar um deles que não tenha uma única crítica aos critérios adotados. Na semana passada, dezenas de pesquisadores se reuniram na UFRJ para discutir esse sistema e refletir sobre como torná-lo mais adequado à realidade da ciência brasileira. — Leia o post completo.


  • Sobre gases e frutas

    Sobre gases e frutas

    Nas bancas desde o começo do mês, a piauí 57 traz uma reportagem que investiga como o Brasil calcula a sua produção de gases do efeito estufa, cujo acúmulo na atmosfera está por trás do processo de mudança climática que afeta o planeta. O blog discute em detalhes uma questão tratada rapidamente no texto: que denominador comum usar para comparar os diferentes gases que causam o aquecimento global? — Leia o post completo.


  • A volta das ‘bactérias extraterrestres’

    A volta das ‘bactérias extraterrestres’

    Com seis meses de atraso, os autores de um dos estudos mais polêmicos de 2010 enfim deram uma resposta formal às duras críticas que receberam da comunidade científica. A pesquisa em questão foi publicada no começo de dezembro na revista Science e descrevia bactérias que teriam arsênio em vez de fósforo em seu DNA. Esses microrganismos foram gaiatamente apelidados de ‘bactérias extraterrestres’, por conta do alarde com que o estudo foi divulgado na internet. — Leia o post completo.



Visite a página da revista piauí no Orkut