Interessados em assumir um Ministério devem pegar senha no Palácio da Alvorada

SUCUPIRA - Minutos após criar uma nova pasta para abrigar o vice governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos (PSD), a presidenta Dilma anunciou as diretrizes do programa Ministério Para Todos: "A base aliada é que nem coração de mãe do PAC, nela sempre cabe mais um", disse a mandatária, enquanto criava uma secretaria de assuntos imortais para Merval Pereira e uma pasta online para o blogueiro Romualdo Azedo.

Mostrando ter consciência aguda dos gargalos na infraestrutura que emperram o crescimento do país, Dilma resolveu tomar medidas drásticas. "Temos que atacar a raiz dos problemas, meus filhos", cravou, convicta. Em seguida, tomada por forte emoção, na certeza de protagonizava um momento histórico, anunciou o Ministério Para Pedro Bial Largar o Big Brother Brasil.

Ao final da cerimônia, depois de perceber que ainda havia aliados sem pastas e que alguns deles enfiavam salgadinhos da festa no bolso do paletó, a presidenta ficou confrangida. Pediu que fizessem fila e distribuiu senhas para sortear o ministério do Entretenimento, o ministério do Homem Sensível e o ministério da Reeleição. A assessoria do Planalto negou a criação da Secretaria Extraordinária do Nunca Antes Neste País, ligada à Abin, que seria destinada a fazer o monitoramento do ex-presidente em exercício.

Para amenizar as críticas dos jornalões, Dilma ofereceu um Ministério ainda sem nome para Barbara Heliodora.

 

Leia também

Dilma criará Bolsa-Ministro

Dilma criará imposto para taxar corrupção

Câmara de São Paulo aprova dia do orgulho ex-BBB

Ministério do Trabalho reconhece ex-BBB como profissão