Compadre Washington está proibido de pronunciar "Tchaãn" e "tchudududupá" em todo território nacional.

DIVINO - Integrantes da Comissão da Verdade confirmaram, ontem à tarde, que os torturadores da Música Popular Brasileira serão identificados, julgados e punidos. "Passamos décadas sob implacável ditadura de sertanejos universitários, dançarinas de axé e vocalistas de pagode coxinha", desabafou Geraldo Vandré. Armado de uma queixada de burro, o compositor cantou os versos "é a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar" um tom acima da versão original.

Intimações foram enviadas para os grupos Soweto, Karametade, Katinguelê, Molejo, Os Morenos, Rouge, Vagabundos, Só Pra Contrariar, Raça Pura, Harmonia do Samba, Sampa Crew, Copacabana Beat, As Meninas e Mastruz com Leite. Latino, Maurício Manieri, Vini Shake Boom e Supla estão foragidos. Tiririca foi poupado por ter imunidade parlamentar. Integrantes do grupo Art Popular desapareceram após serem interrogados para explicar os versos "Até parece que o amor não deu / Até parece que não soube amar / Você reclama do meu apogeu / Do meu apogeu! / E todo o céu vai desabar" e "Pimpolho é um cara bem legal / Pena que não pode ver mulher".

A trilha sonora da novela Avenida Brasil está sub judice. "É um grande passo para renovarmos a cultura nacional", comemorou Artur Xexéo, enquanto ouvia um LP de Emilinha Borba.

 

Leia também

Roberto Carlos compõe música para mulheres de laquê

Bilhete de Chico Buarque à diarista é considerado magistral

Físico alagoano desenvolve gerador automático de sambas-enredo

Jovem sorocabano é internado com overdose de Michel Teló

Luciano mistura sertanejo com axé e tem novo piripaque